Destaque

Projeto troca book fotográfico por ração para alimentar gatos abandonados

Com pouco mais de 40 integrantes o Projeto LUNAAR sobrevive de doações de seus participantes e o valor arrecadado é destinado à compra de ração para alimentar os animais abandonados.  Por: Alessandra Barbosa Neste sábado (14) no Parque das Águas, o Projeto LUNAAR – Luta e União de Amigos para Animais em Risco vai realizar …

Com pouco mais de 40 integrantes o Projeto LUNAAR sobrevive de doações de seus participantes e o valor arrecadado é destinado à compra de ração para alimentar os animais abandonados. 

Por: Alessandra Barbosa

Neste sábado (14) no Parque das Águas, o Projeto LUNAAR – Luta e União de Amigos para Animais em Risco vai realizar o “Book Solidário de Natal”, a ideia é atrair as pessoas no local com intuito de arrecadar rações para gatos. Para fazer as fotos é só levar 5kg de ração, independente da quantidade de pessoas da família a serem fotografadas. Cada doação dá direito a 10 fotos mais uma maquiagem (básica). A ação começa às 13h30 e vai até as 17h.

O Projeto LUNAAR – Luta e União de Amigos para Animais em Risco Lunnar nasceu em outubro de 2017 quando Tainá Marques, acadêmica de Nutrição da UFMT – Universidade Federal de Mato Grosso, reuniu amigos, familiares e estudantes em um grupo de conversas via celular com o intuído de amparar os gatos que vivem nas áreas das faculdades da UFMT.

Com pouco mais de 40 integrantes o Projeto LUNAAR sobrevive de doações de seus participantes e o valor arrecadado é destinado à compra de ração para alimentar os animais ali “jogados”. Mensalmente 150 quilos de ração são distribuídos nos locais onde os grupos de animais vivem.

“Amparamos a população de gatos que habitam o campus da UFMT. Não possuímos dados estatísticos concretos, porém em rápida contagem estima-se aproximadamente 1000 indivíduos entre felinos adultos e filhotes vivem atualmente no campus. Freqüentemente os animais vítimas de maus tratos por parte das pessoas que circulam na UFMT são socorridos pelo PROJETO LUNNAR e encaminhados a clínicas veterinárias para exames, internações, cirurgias e castrações, atividades que geram custos ao projeto que sobrevive sem nenhum apoio governamental”, conta Tainá Marques idealizadora do projeto.

Em uma semana dezessete gatos morreram por envenenamento, esmagamento, mutilações, afogamento dentre outros nas dependências do Restaurante Universitário da UFMT, posteriormente novos episódios surgiram de forma isolada por todas as faculdades do campus. O que chama a atenção é o requinte de crueldade com que os crimes foram cometidos e a forma desprezível com que a vida foi tratada.
Reivindicações feitas à reitoria da UFMT nunca foram ouvidas e o diálogo proposto pelo LUNAAR junto aos administradores da instituição de ensino foi ignorado, fato que gerou protestos dentro do campus com o apoio dos acadêmicos, sociedade, entidades protetora dos animais, mídia local e nacional.

Deixe um Comentário

Your email address will not be published.

Itens relacionados