Geral Noticias Variedades

População de Cáceres e região passa a ser atendida pelo maior hospital público de MT

A partir da requisição administrativa, anunciada nesta segunda-feira (28.03), Hospital São Luiz atuará como anexo do Hospital Regional de Cáceres; atendimentos não serão interrompidos

O Governo de Mato Grosso anunciou, nesta segunda-feira (28.03), a requisição administrativa do Hospital São Luiz, localizado em Cáceres. A partir de agora, a unidade funcionará como um anexo do Hospital Regional de Cáceres, que passa a ser o maior hospital de Mato Grosso, com cerca de 320 leitos ofertados pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

De acordo com o secretário de Estado de Saúde, Gilberto Figueiredo, mesmo com a troca da gestão, os atendimentos não serão interrompidos.

“A estrutura do Hospital São Luiz passa a ser anexada ao Hospital Regional de Cáceres e será gerido pela Secretaria de Estado de Saúde. O Hospital Regional contará com mais de 300 leitos para atender a população de toda a região pelo SUS. Os pacientes não ficarão desassistidos porque não haverá a interrupção dos atendimentos”, esclareceu o gestor.

A Pró-Saúde, empresa que administrava o Hospital São Luiz, era contratada pelo Estado para ser referência em atendimentos ambulatoriais, clínica geral, internações de cirurgia geral, ginecologia, obstetrícia clínica e cirúrgica, pediatria clínica, pneumologia e em Terapia Intensiva (UTI) adulto e neonatal. A unidade conta com 158 leitos, dos quais 108 eram credenciados pelo SUS.

Somente na área materno-infantil, o Hospital São Luiz possui 33 leitos para obstetrícia, seis leitos para pediatria clínica e 10 leitos de UTI Neonatal, além do suporte de UTI Adulto para gestantes de alto risco.

“O Governo de Mato Grosso assume um custo substancial para gerir um hospital deste porte, mas cumpre com a responsabilidade de levar o SUS para cada cidadão deste estado”, concluiu o secretário.

A ação de requisição administrativa do Hospital São Luiz teve o objetivo de evitar a possível descontinuidade de atendimento à população da região de Cáceres, sobretudo no que diz respeito à obstetrícia e às gestantes de alto risco. A unidade ameaçava fechar as portas e não estava cumprindo com o estabelecido junto ao SUS.

Deixe um Comentário

Your email address will not be published.

Itens relacionados