Destaque Judiciário

Escola Superior, IFMT e NUMDI doam máscaras, roupas e álcool 70% a cerca de 100 pessoas em situação de vulnerabilidade em Cuiabá

Esta é a primeira etapa do projeto “Abraços à Vida”.As doações já atendeu três bairros da capital. Interessados em contribuir com doações devem entrar em contato com a Escola Superior  da Defensoria Pública de MT.    Na última segunda-feira (4), a Escola Superior da Defensoria Pública de Mato Grosso (Esdep-MT), em parceria com o Núcleo de …

Esta é a primeira etapa do projeto “Abraços à Vida”.As doações já atendeu três bairros da capital. Interessados em contribuir com doações devem entrar em contato com a Escola Superior  da Defensoria Pública de MT. 

 

Na última segunda-feira (4), a Escola Superior da Defensoria Pública de Mato Grosso (Esdep-MT), em parceria com o Núcleo de Estudos Afro-brasileiro, Indígena e de Fronteira (NUMDI) e a Reitoria do Instituto Federal de Mato Grosso (IFMT), distribuíram máscaras, álcool 70%, roupas e brinquedos a cerca de 100 pessoas que trabalham na rua, vulneráveis à contaminação pelo novo coronavírus em três bairros de Cuiabá.

A iniciativa faz parte do projeto “Abraços à Vida”, que visa doar máscaras, álcool em gel, roupas e brinquedos a pessoas que trabalham nas ruas, expostas à pandemia de Covid-19. O grupo de voluntários reuniu-se no bairro Bela Vista, local de grande concentração de venezuelanos em situação de vulnerabilidade social, e de lá partiu para os bairros Eldorado e Canjica.

“Eles ficaram muito satisfeitos, até pediram mais doações. Eram roupas boas. Lençol de cama, que muitos não têm. A receptividade foi nota dez. Eles estavam rindo, alegres, disseram que estavam precisando muito”, relatou o defensor Roberto Vaz Curvo, diretor da Escola Superior e idealizador da campanha.

A equipe visitou seis casas, que abrigam de três a quatro famílias cada, as quais residem juntas em moradias apertadas. “Em vez de ir aos semáforos, para evitar acidentes, já que os pontos na rua são muito perigosos, a equipe preferiu ir até as casas dessas famílias”, explicou Vaz Curvo, mencionando que oito famílias moravam conjuntamente numa das casas.

Além do diretor da Esdep-MT, participaram da ação José Kennedy Silva e Maristela Guimarães, representantes do IFMT e NUMDI, Rafael Lira, membro da Associação de Defesa dos Haitianos de Mato Grosso (ADHIMI/MT), e Rosbelli Rojas, líder comunitária.

Foram distribuídos álcool em gel 70%, doados pelo IFMT-Rondonópolis, máscaras de tamanho adulto e infantis, recebidas do IFMT-Cuiabá, além de brinquedos, roupas de cama, roupas de adultos e crianças, calçados e folders educativos em espanhol com medidas de prevenção à Covid-19 e também orientações do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) sobre cuidados com crianças.

Além disso, 35 garrafas de 500 ml de álcool 70% foram entregues à Associação de Defesa dos Haitianos Imigrantes e Migrantes em Mato Grosso (ADHIMI-MT).

Como doar – O projeto segue arrecadando roupas, calçados, máscaras, álcool em gel 70% e alimentos não perecíveis. Os interessados em contribuir com doações devem enviar um e-mail para a Escola Superior da Defensoria Pública para agendar a coleta: [email protected]mt.gov.br

Saiba mais – A Escola Superior da Defensoria Pública (Esdep-MT), em parceria com o Núcleo de Estudos Afro-brasileiro, Indígena e de Fronteira (NUMDI) e a Reitoria do Instituto Federal de Mato Grosso (IFMT), lançou a campanha “Abraços à Vida” em abril. As doações começaram nesta segunda-feira (4 de maio).

Serão distribuídas centenas de máscaras, 150 frascos de meio litro de álcool 70%, doados pelo IFMT – Campus Rondonópolis, além de roupas e brinquedos às pessoas que estão pedindo ajuda nos semáforos de Cuiabá, vulneráveis à contaminação pelo novo coronavírus (Covid-19).

Segundo a professora Maristela Guimarães, do IFMT, o projeto foi idealizado pelo defensor público Roberto Vaz Curvo, diretor da Escola Superior. “É uma campanha que pode levar esperança aos que sofrem”, destacou.

“O papel da Escola foi construir o texto juntamente com o IFMT. É uma forma de educação em direitos e deveres. A ideia é abraçar todas as pessoas dentro do que a OMS (Organização Mundial da Saúde) fala”, explicou Vaz Curvo.

Também será distribuído um folder explicativo em espanhol, já que muitos são venezuelanos que fugiram da crise em seu país natal. O mesmo folder também será publicado em francês para atender senegaleses e haitianos, que vivem na capital mato-grossense.

Flagrantes – No dia 18 de abril, um sábado, por volta das 16h, nossa reportagem flagrou ao menos 11 pessoas em situação de rua pedindo ajuda (comida, roupas e esmolas) na Avenida Historiador Rubens de Mendonça, mais conhecida como Av. do CPA, apenas no trecho do viaduto que dá acesso à Av. Miguel Sutil até o Shopping Pantanal.

Boa parte dos recursos será custeada pelos próprios organizadores da campanha, que também contou com o apoio de amigos para arrecadar roupas e brinquedos, do programador visual e da professora de espanhol, ambos da Reitoria do IFMT. A campanha seguirá com outras ações que vão além do combate à pandemia.

Deixe um Comentário

Your email address will not be published.

Itens relacionados