Destaque Geral Noticias

Defensoria Pública atende 1,2 mil pessoas que querem vacina em Cuiabá, mas tiveram dificuldade de acesso

Os atendimentos são feitos das 12h às 18h, por meio de dois telefones, desde o dia 13 de abril, com a intenção de ajudar o cidadão carente a entrar na fila e receber o imunizante

Em 13 dias, a Defensoria Pública de Mato Grosso atendeu 1259 pessoas que solicitaram auxílio para entrar na fila da vacina contra Covid-19, em Cuiabá. Na Capital, além de ser do grupo prioritário, o cidadão deve fazer um pré-cadastro virtual para ter o agendamento e, só é vacinado na data, ao apresentar um código de barras. É nesse momento que pessoas simples, sem acesso à internet ou com dificuldades com cadastros, são excluídas.

Pensando nesse público, foco do trabalho do órgão, a Secretaria Executiva da DPMT disponibilizou duas equipes de servidores que, por meio dos números de telefones: (065) 99810-5578 e (065) 99811-2417, atuam das 12h às 18h, de segunda-feira à sexta-feira, para auxiliar no cadastramento, agendamento e em todo o processo de repasse de informações, até o dia da vacinação.

Nos casos das pessoas com dificuldades em receber virtualmente o código de barras (QRcode), a Defensoria Pública imprime e disponibiliza a imagem ou leva até o cidadão, com hora marcada.

“Todo esse trabalho está sendo feito para facilitar o acesso das pessoas que estão na lista de prioridades, querem ser imunizadas, mas não conseguem por dificuldades com tecnologia ou por carência de recursos. Buscamos facilitar ao máximo, por isso recebemos ligações a cobrar; áudios e textos. E já estudamos ampliar esse serviço para o município de Várzea Grande”, explica a secretária executiva, Luziane Castro, responsável pela iniciativa e pela coordenação dos trabalhos.

O serviço está disponível desde o dia 13 de abril e desde então foram atendidas 674 pessoas pelo aplicativo Whatsapp; 584 por ligações telefônicas e uma por mensagem de SMS. Desses atendimentos, 84 geraram cadastros no site da Prefeitura. O serviço ficará disponível até a conclusão da imunização na Capital. 

Frentes de Atuação – Além do serviço direto ao cidadão, a Defensoria Pública de Mato Grosso está atuando por meios jurídicos, administrativos e políticos ao longo de toda a pandemia, para sugerir e cobrar soluções do Executivo estadual e municipal, no atendimento adequado à população carente nas áreas de saúde, educação e assistência social.

Entre as mais recentes está a visita do defensor público-geral, Clodoaldo Queiroz, ao Mato Grosso do Sul, para identificar como a capital, Campo Grande, chegou a ter um dos melhores índices de vacinação e alimentação de dados sobre a oferta do serviço no sistema do governo Federal, do país.

Até agora, 183 mil moradores foram vacinados com a primeira dose, 20% da população total do município de Campo Grande, estimada em 906.092, e mais de 67 mil já receberam a segunda dose. A cidade está entre as capitais brasileiras com mais doses de vacinas aplicadas.

“A impressão que temos aqui é que o sistema funciona muito bem, é muito ágil, e a maior prova disso é que Campo Grande está agora vacinando a população com 59 anos de idade, ou seja, já vacinaram todos os idosos, de 60 anos para cima”, disse Queiroz.

Quatro Eixos – Segundo o defensor público Fábio Barbosa, coordenador do Grupo de Atuação Estratégica em Defesa da Saúde Pública (Gaedic/Saúde), que também participou da visita, existem quatro fatores principais que explicam o sucesso da vacinação em Mato Grosso do Sul.

“A descentralização da vacina, o cadastramento antecipado, a base de dados vinculada ao Governo Federal para migrar os dados de forma automática e a parceria público-privada, essas iniciativas juntas fazem toda a diferença”, afirmou.

Barbosa informa que são 55 pontos de vacinação em Campo Grande, entre eles, os viabilizados em parcerias com a iniciativa privada, o que facilita a vida do cidadão. “Tem vacinação no PSF, próximo às pessoas nos bairros, em hospitais particulares e em sedes de planos de saúde, com estrutura fornecida pelas empresas. Essa ramificação do sistema facilita o acesso a todos e não traz transtorno à população”.

Barbosa lembra que, ainda esta semana, a DPMT oficiará prefeituras municipais de Mato Grosso com sugestões de medidas de inclusão e de aceleração do processo de vacinação, com base no modelo verificado no Estado vizinho. 

“Estamos nos organizando para registrar o que vimos lá e sugerir que façam o mesmo aqui. O prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad (PSD), ofereceu de forma gratuita, para quem quiser adotar, o software que criaram e usam lá, para atualizar os dados de vacinação no site do Ministério da Saúde”, disse.

Deixe um Comentário

Your email address will not be published.

Itens relacionados