Por: Max Russi

A expressão no título pode até parecer que está invertida, mas nessa inversão começamos a entender o tema desse artigo. A sociedade e a espécie humana são um exemplo de sucesso evolutivo, particularmente qualifico esse sucesso a um fator muito simples: a capacidade do homem em modificar seu ambiente e transformá-lo para que sua existência seja possível ou melhor. Passando pelo início da civilização com manuseio do malho e cinzel para dar forma as pedras que viriam a se tornar grandes edificações e chegando até as avançadas áreas da genética ou indústria do silício, a qualificação profissional sobrepôs todas as barreiras naturais ou sociais no caminho do progresso. Sim, nosso tema é a qualificação profissional, assunto muitas vezes esquecido nas políticas públicas.

Como parlamentar estadual sempre me indaguei sobre soluções para a melhoria social, veja, de nada adianta termos um excelente PIB se isso não se converte em qualidade de vida para a população, portanto, medidas perenes são de importância ímpar para que avancemos nesse quesito. A resposta que trago para o meu questionamento é pautada no que conheço da nossa gente, se tiver trabalho e oportunidade vamos trabalhar e melhorar de vida. Me incluo nisso, não fui deputado a vida toda e comecei trabalhando em posto de combustível. O grande pulo do gato para multiplicar esse resultado é ter mão de obra qualificada, agregar valor ao que se produz para que se fature mais e o saldo no final do mês seja positivo para as famílias.

Meu empenho nessa segunda legislatura tem sido focado no social, ajudando inclusive na formatação do Ser Família como uma evolução do Pró-família que instituí enquanto secretário da SETAS, promovendo distribuição de renda e formação para famílias que realmente precisam de um suporte, uma ajuda no momento certo é muito mais valiosa do que grandes feitos fora de hora, hoje lançamos o Ser Família Emergencial. Não permitirei que o pai e a mãe de família que sempre sustentaram seus filhos com trabalho duro passem por necessidade extrema por conta da escassez de trabalhos causadas pela pandemia. Não no meu turno. Tenho parceiros que estão juntos nessa, como a primeira-dama Virgínia Mendes e a equipe da secretária.

Promoção social não é algo rápido, instantâneo como asfaltar uma rua. Leva tempo e requer muito empenho e ações sinérgicas. Não adianta um estado rico se tivermos pessoas passando fome, as políticas públicas só servem se diminuírem as desigualdades. Não podemos gerar bolsões de riqueza com uma grande massa empobrecida, esse será o grande desafio de Mato Grosso nos próximos anos. Somente dando as mãos aos que precisam e investindo em qualificação profissional que veremos esse povo trabalhador começar a suar menos e ganhar mais. O consumo está aí, a demanda existe, podemos nós, enquanto estado, ser aquele que atende? Só depende de nós. Vamos juntos?

Max Russi – Dep. Estadual.
Presidente da Assembleia Legislativa

Deixe um Comentário

Your email address will not be published.

Itens relacionados