DestaqueGeralNotícias

Vigilantes da Arena Pantanal estão há 4 meses sem salário

Com atraso salarial de 4 meses, 21 vigilantes que trabalham na Arena Pantanal, em Cuiabá, denunciam a situação e ameaçam fazer greve.

Um deles, um homem de 24 anos, casado, pai de um filho de 2 anos e 4 meses, explica que a classe recebeu pela última vez mês passado porém salário referente a julho.

Os 21 vigilantes se dividem em grupos de 5 e, desarmados, fazem a vigilância da Arena. “A gente fica em dupla nas 2 guaritas e 1 fica rodando ao redor da Arena”, explica.

Os plantões são das 7 às 19h e das 19h às 7h. A escala é de 12h trabalhadas por 36h de descanso.

No caso deste vigilante, como ele é arrimo de família, está sacrificando o horário de descanso, para fazer “bicos”, para a família comer.

A vigilância na Arena tem algumas intenções. Acompanhar o entra-e-sai de funcionários durante o dia, eventos e esportes durante a noite e coibir vandalismos na madrugada, o que tem sido raro.

“Aqui é uma região perigosa, mas tem a presença da Polícia Civil, que intimida”, ressalta, citando o Cisc do Verdão, ao lado do estádio. A Polícia Militar, segundo ele, também faz rondas.

A reclamação é mesmo com relação ao salário – de R$ 1.250 – que está atrasado. “A empresa concede uniforme, alimentação, vale transporte”, pontua.

Aos funcionários, representantes da empresa Ecológica informam que está em recuperação judicial, ou seja, com problemas financeiros tentando evitar falência e não tem dinheiro para pagá-los.

“Falam que não tem dinheiro e o Estado também não faz nada e nós? Como nós ficamos” – questiona.

Na situação de acúmulo, “um salário só já não vai dar para nada. Queremos pelo menos 2 de imediato”, reivindica.

A categoria alega que ainda não “cruzou os braços” por entender que é complicado deixar a Arena “sozinha”. Mas está se sentindo enganada.

Outro lado

Gazeta Digital tentou falar com a Ecológica, mas não conseguiu fazer contato.

A Secretaria de Estado de Educação (Seduc) foi questionada sobre o problema e confirmou que o contrato é da pasta. Mas não deu retorno até o fechamento desta matéria sobre o motivo do atraso.

Gazeta Digital

Artigos relacionados

Fechar