DestaqueNotíciasPolítica

Taques mantém confiança em seu secretariado mesmo após denúncias

Taques não se arrepende de manter secretariado

O governador Pedro Taques (PSDB) afirmou que não se arrepende de ter mantido seu secretariado mesmo após as denúncias do esquema de escutas telefônicas ilegais ter chegado ao conhecimento da população. Segundo ele, as mudanças em seu staff serão feitas de acordo com a necessidade.

“Não me arrependo de absolutamente nada. Já mudamos os secretários necessários, ninguém é imexível e quando for necessário vai ser mudado”, disse o tucano durante evento do pró-estradas na manhã desta terça-feira (3).

O gestor vem sofrendo várias baixas em seu secretariado há meses, mas desde que o esquema da grampolândia pantaneira foi denunciado em maio deste ano pelo promotor de Justiça e ex-secretário de Segurança, Mauro Zaque.

Porém, nos últimos dias, a situação se agravou ainda mais quando a Polícia Civil prendeu, no dia 27 de setembro, os então secretários Rogers Jarbas (Sesp) e Airton Benedito de Siqueira Júnior (Sejudh) e ainda outros 2 ex-secretários do staff de Taques por determinação do desembargador Orlando de Almeida Perri por causa de envolvimento no esquema das interceptações telefônicas clandestinas. Eles são acusados de obstrução à Justiça e tentavam gravar Perri a fim de usar qualquer frase sua fora de contexto para montar uma farsa e pedir seu afastamento das investigações em andamento através de 6 inquéritos policiais autorizados pelo desembargador.

Nesta segunda-feira (3) o deputado estadual Max Russi (PSB) assumiu a Casa Civil no lugar do secretário José Adolpho que também era investigado por suspeita de fraude no protocolo da denúncia da central de grampos feita por Mauro Zaque.

Apesar do governador não confirmar, nos bastidores comenta-se que a troca também seria fundamentada pelo secretário ser suspeito de ter fraudado os protocolos do documento em que o ex-secretário da Segurança Pública e promotor de Justiça, Mauro Zaque, denuncia a existência de um esquema de grampos ilegais no Estado na gestão do governador Pedro Taques (PSDB).

Janaiara Soares

A Gazeta

Artigos relacionados

Fechar