Sete deputados de MT votam para ‘salvar’ Temer da 2ª denúncia

Os deputados federais da bancada de Mato Grosso na Câmara dos Deputados votaram a favor do parecer que recomenda a rejeição da denúncia contra o presidente Michel Temer (PMDB), acusado dos crimes de obstrução de Justiça e organização criminosa.

A sessão aconteceu nesta quarta-feira (25) e deputados votaram a favor do parecer da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) que recomendava a rejeição da denúncia oferecida pelo então procurador-geral Rodrigo Janot, contra o presidente Michel Temer e os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-Geral).

Temer é acusado de liderar um esquema de recebimento de propina do qual participavam vários ex-deputados peemedebistas. Os valores movimentados chegariam aos R$ 587 milhões, que teriam sido desviados de operações com a Petrobras, a Caixa Econômica Federal, Furnas, o Ministério da Integração Nacional e a Câmara dos Deputados.

Apesar das acusações, o parecer da CCJ, elaborado pelo deputado Bonifácio Andrada (PSDB-MG), recomenda a rejeição da denúncia.

Foram a favor do parecer os deputados Adilton Sachetti (PSB), Carlos Bezerra (PMDB), Ezequiel Fonseca (PP), Fabio Garcia (PSB), Nilson Leitão (PSDB), Victório Galli (PSC) e Rogério Silva, em substituição ao deputado Valtenir Pereira, que está licenciado.

Ao proferir seu voto, Galli iniciou seu discurso aparentando quer iria votar contra o arquivamento, porém encerrou afirmando que ia contra o posicionamento do Partido dos Trabalhadores (PT) com relação ao caso.

“Sou a favor que todo cidadão denunciado seja investigado, sou contra a Globolixo que está destruindo nossas famílias. Mas se o PT está à direita eu vou pra esquerda e por isso voto sim”, justificou.

Apenas o deputado Ságuas Moraes (PT) votou pela admissibilidade da denúncia, a fim de que haja o prosseguimento da acusação no Supremo Tribunal Federal (STF) e que sejam autorizadas as investigações contra o presidente.

Lembrou que Temer foi denunciado duas vezes em menos de seis meses, agora inclusive por formação de quadrilha. “Por isso voto não, para continuidade das investigações”, afirmou.

Para a denúncia seguir para o Supremo, o parecer da CCJ tem que ser rejeitado com os votos de, pelo menos, 342 dos 513 deputados. Caso a denúncia seja aceita, Temer é imediatamente afastado do Palácio do Planalto pelo prazo de 180 dias.

Primeira denúncia – Esta foi a segunda vez que Temer foi denunciado pela PGR. Da primeira vez, ele foi acusado pelo crime de corrupção passiva no âmbito da Operação Lava Jato. Na ocasião, a bancada de Mato Grosso votou para livrá-lo da denúncia. Somente o deputado Ságuas foi contra o arquivamento da denúncia.

A Gazeta