DestaqueGeralNotícias

Retomada das obras de adequação da Avenida Tancredo Neves são adiadas

Vistoria de técnicos da SEMOB e SECID

A falta de alinhamento entre as secretarias de Mobilidade Urbana (Semob) de Cuiabá e a de Estado das Cidades (Secid) fez com que a interdição na Avenida Tancredo Neves, paralela ao córrego do Barbado, fosse adiada para a próxima semana. A interdição da via informada para ter início nesta quarta-feira (04) foi suspensa até que o Governo do Estado promova as adequações necessárias da sinalização viária na região.

Segundo a Semob o adiamento visa garantir a segurança e tranquilidade dos condutores e pedestres, à medida que também cumpre o decreto N.º 6.212/2017, que dispõe que todas as obras, serviços de engenharia e reparos programados nas intervenções destinadas à melhoria da mobilidade urbana e ligadas a Copa do Mundo FIFA 2014 sejam previamente autorizadas pelo Chefe do Poder Executivo Municipal. “A preocupação da Prefeitura de Cuiabá é minimizar ao máximo todo e qualquer tipo de transtorno à população, sabendo que obras dessa magnitude exercem um impacto direto e significativo na rotina de toda a comunidade local e daqueles que necessitam transitar diariamente pela região”, justificou a secretária municipal de Mobilidade Urbana, Luciana Zamproni.

“A sinalização viária se faz crucial nos arredores, a fim de que todos estejam devidamente orientados quanto aos possíveis desvios de rota que a interdição pode acarretar. Além disso, a informação do trabalho que está sendo executado nas pistas aos condutores e pedestres também exerce um papel de alerta, permitindo que todos planejem caminhos alternativos de maneira ordenada e responsável, evitando acidentes ou infrações”, completou Luciana.

A interdição da Tancredo Neves será preciso para o início das obras de drenagem na Avenida Fernando Corrêa da Costa, no entorno do viaduto jornalista Clóvis Roberto, conhecido como viaduto da UFMT.

Os trabalhos tem a previsão de durar 6 meses e são de responsabilidade do governo do Estado, através da Secid. A obra que deveria ter sido concluída pela ocasião da Copa do Mundo de 2014 está orçada em R$ 5,85 milhões e compreendem a desobstrução de estruturas e a ampliação das tubulações de drenagem para escoamento adequado da água. Já que o local apresenta constantes alagamentos no período chuvoso, que se aproxima.

A assessoria da Secid afirma que a pasta junto com a Semob realiza as últimas adequações no projeto de sinalização viária para a região, que foram pedidas na terça-feira (03) pela Semob. Uma vez aprovada, a empresa mandará produzir faixas e fará implantação no local. Todo esse processo deve demorar até 5 dias úteis.

Na manhã desta quarta-feira (04) o secretário Wilson Santos e a de Mobilidade Urbana foram até o local vistorias os trabalhos, que segundo a Secid já começaram.

Informações da pasta estadual informam que a obra de drenagem na localidade do Viaduto da UFMT teve início logo após a emissão da ordem de serviço, que circulou no Diário Oficial do Estado no dia 18 de setembro. A empresa Conenge Construção Civil venceu a licitação realizada pela Secid.

Santos explicou que o problema na região é fruto de várias questões. Entre elas, o crescimento e o adensamento da populacional nas últimas décadas, a construção de shoppings e a expansão da UFMT, que colaborou para o aumento do volume das águas que desaguam no córrego do Barbado. “Estamos fazendo aqui medidas de engenharia sérias e profundas. O projeto de drenagem para a localidade é da UFMT e foi todo revisado pela Prefeitura de Cuiabá. Agora, esse é um trabalho conjunto entre o Governo do Estado e o município”, frisou.

Segundo a equipe de engenharia da empresa que toca a obra, neste momento os serviços estão em fase de mobilização técnica, avaliação das interferências necessárias no canteiro de obras, bem como, topografia. O secretário adjunto de Obras Públicas da Secid, Ernesto Negretti, diz que as obras seguem seu cronograma normal e após a interdição das vias no entorno do viaduto terão início os trabalhos mais pesados.

Quanto à intervenção no trânsito, o secretário Wilson Santos pediu paciência aos motoristas e pedestres. “São seis meses aproximadamente de obra. Infelizmente só estamos começando agora a obra às vésperas do período chuvoso, gostaríamos de termos iniciado no primeiro semestre do ano, mas a burocracia nos impediu”, concluiu ele, enfatizando que esta é uma obra muito importante para a cidade.

A Gazeta

Artigos relacionados

Fechar