DestaqueNotíciasPolítica

Emanuel cogita realizar reforma administrativa só em 2018

O prefeito de Cuiabá Emanuel Pinheiro (PMDB) descartou o envio, ainda este ano, de uma reforma administrativa do Executivo para ser votada na Câmara Municipal.

Em entrevista à rádio CBN, nesta segunda-feira (15), o peemedebista disse que deverá apenas dar seguimento ao desmembramento da Secretaria de Cultura e Turismo. O restante da reforma, entretanto, deverá aguardar o novo orçamento da Prefeitura.

“A reforma administrativa da Prefeitura vou deixar para o ano que vem. Este ano vou fazer adequações para poder ajustar a máquina à realidade do momento, minhas ideias e propostas do governo. Até porque estou trabalhando com orçamento da gestão passada e tenho que aplicá-lo”, disse.

O orçamento do Palácio Alencastro foi projetado pelo ex-prefeito Mauro Mendes (PSB), em pouco mais de R$ 2 bilhões, válido para todo o ano de 2017. Já o orçamento de 2018 será feito por Emanuel e enviado para aprovação da Câmara no final deste ano.

A partir do ano que vem, com o orçamento que vou fazer com minha equipe, pretendo, nesse contexto, apresentar uma proposta de reforma administrativa para debater com a Câmara Municipal”, afirmou.

Entre as mudanças que devem ficar para o próximo ano estão as novas estruturas das subprefeituras, a criação do Gabinete da Governança Estratégica, entre outros.

“Agora, estou fazendo adequações para cumprir com o que já anunciamos, porque preciso ver o orçamento, preciso mantê-lo e não posso colocar em risco o equilíbrio fiscal. Estou segurando na unha o orçamento do Município, combatendo desperdício, cobrando dos secretários para que também mantenham o equilíbrio ”, disse.

Desmembramento

Em abril, Emanuel anunciou o desmembramento da Secretaria de Cultura, Esportes, Lazer e Turismo.
O ex-vereador Francisco Vuolo (PP) assumiu a Pasta de Cultura.

Já o Turismo voltará a ser uma secretaria única e ficará sob o comando do vice-prefeito Niuan Ribeiro (PTB).

Antes, ele já havia desmembrado a Secretaria de Governo e Comunicação. A medida chegou a ser aprovada pela Câmara Municipal.

 

Tags

Artigos relacionados

Fechar